30/10/2014

Trauma e violência na clínica, na arte e no cinema

Georges Melies, Le voyage dans la lune, 1902
SEMINÁRIO
21 de novembro de 2014
17h15min às 20h15min
Salão Alexandrite

Maria do Carmo Dias Batista

O momento traumático e o ato violento serão abordados a partir da mediação oferecida pela fala na sessão analítica, pela imagem na obra de arte e pela conjunção imagem-palavra no cinema.
A psicanálise ensina que trauma e violência respondem a uma topologia, onde a aparente exterioridade da violência se imbrica com o mais íntimo do efeito do trauma nos corpos, um a um . Assim, esses dois termos serão discutidos paralelamente ao longo deste Seminário, ressaltando-se suas imbricações, mas também suas diferenças.
Sabemos que, em seu ensino, Lacan parte da clínica estrutural e chega à clínica borromeana e um dos objetivos deste Seminário é elucidar suas diferenças e convergências. Caberá, então, passar por conceitos fundamentais estabelecidos por Lacan em seu ensino sobre as psicoses, que também aperfeiçoam a clínica das neuroses. Nesse contexto, as contribuições de Jacques-Alain Miller (“As Lições da Psicose”, “A Clínica Irônica” e “Psicose Ordinária”) serão igualmente trabalhadas para chegarmos à generalização do delírio, ao ultimíssimo Lacan e à sua formulação do sinthoma, a partir de Joyce.
Como nos deparamos, nas sessões de análise, com casos de assaltos, estupros, graves doenças orgânicas, abusos sexuais na infância, uso de drogas, suicídio, prisão, síndromes do pânico, acidentes automobilísticos, assassinato, anorexia, auto-laceração e mutilação do corpo, interessa-nos investigar se uma das duas clínicas de Lacan seria melhor talhada para tratar os sintomas e o gozo que cada uma das situações engendra. Ou, por outro lado, se tais situações requereriam uma nova abordagem das duas clínicas, buscando-lhes uma continuidade. Acompanhando pari passu o delineamento dessa perspectiva clínico-conceitual, trata-se ainda de averiguar como referências sobre o trauma e a violência, destacadas das artes plásticas e do cinema, podem auxiliar na elucidação a propósito dessas duas clínicas e de suas incidências.


Referências:
LAIA, S. Argumento do XX Encontro Brasileiro do Campo Freudiano. Disponível em: http://www.encontrocampofreudiano.org.br/. Acesso em 19.06.2014.
LACAN, J. O Seminário – livro 3. As Psicoses. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.
LACAN, J. O Seminário – livro 23. O Sinthoma. Rio de Janeiro: Zahar, 2007. p. 117.
MILLER, J.-A. Os Casos Raros, Inclassificáveis, da Clínica Psicanalítica. A Conversação de Arcachon. São Paulo: Biblioteca Freudiana Brasileira, 1998. Tradução de Luiz de Souza Dantas Forbes. p. 106.
MILLER, J.-A. A Psicose Ordinária. A Convenção de Antibes. Belo Horizonte: Scriptum, 2012. p. 45-46.
LAIA, S. Argumento do XX Encontro Brasileiro do Campo Freudiano. Disponível em: http://www.encontrocampofreudiano.org.br/. Acesso em 19.06.2014.


INFORMAÇÕES IMPORTANTES
  1. Para participar de qualquer Seminário ou Conferência será imprescindível estar inscrito no XX Encontro Brasileiro do Campo Freudiano.
  2. O número de lugares em cada Salão e no Teatro citados abaixo é variável e limitado. Assim, esses lugares serão preenchidos por ordem de chegada de cada interessado.
  3. Os inscritos no XX Encontro Brasileiro poderão escolher o Seminário ou a Conferência que desejarem, observando que há simultaneidade de horários entre a maior parte dessas atividades. Assim, caso se opte por um Seminário com a duração de 6h, essa escolha implicará o compromisso de participar nessa atividade ao longo da tarde e de parte da noite; por sua vez, caso se opte por participar de um Seminário de 3h, essa escolha poderá ser conjugada com a de outro Seminário de 3h ou mesmo com a de uma Conferência; será possível, ainda, optar conjuntamente pelas três Conferências. Entretanto, em função do número de lugares limitados e variável em cada Salão e no Auditório, não há como a organização desse evento garantir previamente a efetivação da escolha realizada por cada participante.
  4. Cada AME responsável por um Seminário ou uma Conferência poderá, conforme lhe parecer conveniente, dividir o tempo de sua apresentação e do debate com os participantes ou mesmo introduzir algum tipo de intervalo.