30/10/2014

Homens, mulheres, corpos que falam

Maurits Cornelis Escher, Bond of Union, 1956
SEMINÁRIO
21 de novembro de 2014
17h15min às 20h15min
Salão Aventurin

Elisa Alvarenga

Freud, em “Análise terminável e interminável”, considera que três fatores são decisivos para o êxito de um tratamento analítico: a influência dos traumas, a intensidade das pulsões e as alterações do eu.
Ele se pergunta se é possível resolver um conflito pulsional de um modo permanente e definitivo. As alterações são na verdade parciais e deixam fenômenos residuais, restos de fixações libidinais. Uma atitude em relação ao complexo de castração - o rechaço à feminilidade - é uma parte do enigma da sexualidade, para Freud, dificilmente dominado em um tratamento analítico.
Lacan, ao longo de seu ensino, aponta aquilo que, na mulher, vai além do falo e que não drena todo o pulsional em uma mulher. Ao escrever as fórmulas da sexuação, mostra-nos que uma mulher é não-toda inscrita na função fálica e que o gozo feminino é Outro gozo, suplementar ao gozo fálico. Ao impasse freudiano do rechaço à  feminilidade, Lacan responde com a solução que cada um, homem ou mulher, terá que encontrar para o gozo, não somente fálico, mas o Outro gozo, ligado às marcas dos acontecimentos traumáticos no corpo.
O gozo feminino não é exclusivo das mulheres, e uma mulher pode inscrever-se do lado masculino das fórmulas da sexuação, assim como um homem pode inscrever-se do lado feminino, não-todo. A experiência analítica revela a contingência da função fálica e a universalidade do gozo feminino, que Jacques-Alain Miller destaca como regime do gozo como tal. Da perspectiva do corpo que fala, trata-se de pensar os efeitos da psicanálise sobre o gozo, ou como a experiência analítica extrai, daquilo que traumatizou o corpo, um modo de gozo singular.
Subtemas:
  • O corpo que fala – uma mudança de perspectiva
  • O gozo feminino e a outra satisfação
  • Os efeitos de uma análise sobre o gozo


Referências:
FREUD, S. Análise terminável e interminável, ESB XXIII, RJ, Imago, 1975, p. 239-287.
LACAN, J. Seminário 20, Mais, ainda. RJ, Zahar, 1985, cap. I, IV, V, VI, VII, VIII, XI.
MILLER, J. O ser e o Um. Curso de Orientação Lacaniana 2011, inédito, lições IV e V (09.02.2011 e 02.03.2011).


INFORMAÇÕES IMPORTANTES
  1. Para participar de qualquer Seminário ou Conferência será imprescindível estar inscrito no XX Encontro Brasileiro do Campo Freudiano.
  2. O número de lugares em cada Salão e no Teatro citados abaixo é variável e limitado. Assim, esses lugares serão preenchidos por ordem de chegada de cada interessado.
  3. Os inscritos no XX Encontro Brasileiro poderão escolher o Seminário ou a Conferência que desejarem, observando que há simultaneidade de horários entre a maior parte dessas atividades. Assim, caso se opte por um Seminário com a duração de 6h, essa escolha implicará o compromisso de participar nessa atividade ao longo da tarde e de parte da noite; por sua vez, caso se opte por participar de um Seminário de 3h, essa escolha poderá ser conjugada com a de outro Seminário de 3h ou mesmo com a de uma Conferência; será possível, ainda, optar conjuntamente pelas três Conferências. Entretanto, em função do número de lugares limitados e variável em cada Salão e no Auditório, não há como a organização desse evento garantir previamente a efetivação da escolha realizada por cada participante.
  4. Cada AME responsável por um Seminário ou uma Conferência poderá, conforme lhe parecer conveniente, dividir o tempo de sua apresentação e do debate com os participantes ou mesmo introduzir algum tipo de intervalo.