30/10/2014

Contribuições para uma leitura da ex-sistência do corpo a partir da topologia

Anéis borromeanos
CONFERÊNCIAS DE AMEs
21 de novembro de 2014
18h30min às 20h30min
Dayrell Theatre

Luiz Henrique Vidigal

Nos últimos seminários há uma crescente preocupação de Lacan com a questão do corpo, ao mesmo tempo em que a topologia assume um papel importante na tarefa de levar adiante a psicanálise.
O discurso analítico não vai por si só, é preciso que cada um coloque algo de si. Lacan propõe a topologia como um exercício, do qual ele mesmo participa, muitas vezes intuitivo, “mostrativo”, mas que tem como consequência a tarefa de pensar as relações.
Em especial temos o Real, o Simbólico e o Imaginário, três conceitos de Lacan, pensados como um jogo de interferências. Real Simbólico e Imaginário são três, mas também formam UM. Esta é a proposta que faz com que Lacan trabalhe, durante anos, o nó borromeano com três ou quatro enlaçamentos.
Trata-se de revitalizar os conceitos introduzindo ideias como a de vizinhança, borda, báscula, consistência, buraco, etc... São ideias de um espaço físico ou virtual, com desenhos ou objetos para a manipulação que descentram a questão e abrem caminho para a discussão clinica.


Referências:
LACAN, J. O Seminário. Livro 22: R.S.I. (inédito).
LACAN, Jacques. A terceira. Opção Lacaniana, São Paulo: Eolia, n.62, p. 11-36, Dez. 2011.