23/05/2014

esseOesse

Henri Kaufmanner • Diretor do XX EBCF
O esseOesse esta de novo na rede!
     Enfim, o nome de nosso Boletim pode ser vocalizado e transmitido!
     Afinal, Pi..pi..pi..piiiii..piiiii..piiiii..pi..pi..pi era tão improvável que o boletim acabou ganhando o carinhoso e original apelido de...Boletim.

Agora o esseOesse aparece com todas as letras. Ele mantém o seu tilintar bem como sua grafia, mas a sua expressão fonêmica é antes de tudo um convite para que a diversidade de nossa comunidade analítica, bem como daqueles que por seus múltiplos interesses, dela se aproximam, possam também fazer uso desse instrumento, do Boletim do XX Encontro Brasileiro do Campo Freudiano.
     Se o SOS original surgiu como uma forma de universalizar na urgência, o clamor por socorro, o esseOesse pretende que na urgência localizada pelo tema de nosso Encontro cada um possa a partir desta holófrase, inscrever o singular de sua série, seu estilo, seu sotaque.
     Tomamos desde já a liberdade de incluir nossa mineirice. A partir deste número de esseOesse inauguramos, entre outras, a rubrica Duscumpadi . Escrita em mineirês arcaico ela é um convite a que os cumpadi desse Brasilzão (quiçá alhures) se inscrevam nesse boletim com seus textos, sua produção. Duscumpadi inaugura com o texto de Maria Noemi, de São Paulo, que a partir do Documentário “De gravata e unha vermelha”, nos pergunta se as invenções sobre o corpo podem livrar da violência da incidência da linguagem. Na rubrica Óiasó é possível assistir a uma entrevista de Jorge Forbes e suas pontuações sobre o laço social de nosso tempo, o amor e a violência. Encontraremos ainda uma conversa entre Carlos Augusto Nicéas  e Marcus André Vieira sobre os destinos do amor no final de análise. É o evento cartéis se fazendo presente.
     O esseOesse os convida. Aqueles que quiserem enviar seus artigos, comentários, ou mesmo jogar conversa fora podem escrever para xxebcf.esseoesse@gmail.com
     É isso!! esseOesse 4 na rede!!!